segunda-feira, 25 de maio de 2009

Segunda- feira, 25 de maio de 2009 às 01h46min.
Palácio {que será}Lilás

Assim, de Repente

“Cuspiu no prato que raspou
Duvidou que um dia fosse mudar de idéia
Não preparou, se mandou, evaporou
Espatifou o prato na parede
E eu catando os cacos pra tentar colar depois
Mas depois não vou que não tem
Não vou que não tem, nem vai que não tô

Como quisesse pisar...
Só por maldade ignorou
Seria realmente assim
E se pudesse levava até a saudade
Mas deixou...
Impregnada em cada fração de mim
Da noite pro dia
Nem sabia que aquela seria
A última vez que eu a via
Da noite pro dia
Ela sorria e me garantia
Estar na maior alegria
Da noite pro dia
A ironia é serventia...
Por conta da casa vazia
Da noite pro dia

Você meu remédio tarja preta
Só com prescrição
Onipresente feito o ar”


Jay Vaquer

5 comentários:

Max Psycho disse...

Como quisesse pisar...
Só por maldade ignorou
Seria realmente assim
E se pudesse levava até a saudade
Mas deixou...
Impregnada em cada fração de mim

este trecho é a pior parte do fim de qualquer relacionamento, as vezes eu acho que seria bom se a outra pessoa levasse a saudade também

Dri Viaro disse...

oi amiga, que bonito o que vc escreveu, hj nao vou falar muito pq to meio depre, mas nem sei pq
bjsss boa semana

Carla Martins disse...

Olha, que forte!!! Adorei! :)

Beijos!

Loira e Morena disse...

To passando rapidinho para desejar uma otima semana!!

Beijaooo da Morena!

Max Psycho disse...

bjus gata, faça do bom senso a nova ordem, não deixe a guerra começar, ja dizia Renato russo